segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

Datena é condenado em processo por "discriminação homofóbica"

27/12/2010 -
Publicidade
FOLHA DE SÃO PAULO

O apresentador José Luiz Datena foi condenado a uma advertência pela Secretaria da Justiça de SP, no processo administrativo que a Defensoria Pública move contra ele por "discriminação homofóbica".

O processo partiu de uma reportagem no programa "Brasil Urgente" durante a qual Datena usou expressões como "travecão butinudo do caramba" ao falar de um travesti.

A informação é da coluna Mônica Bergamo, publicada na Folha desta segunda-feira (27). "Não houve discriminação. Falei sobre a agressão [depois da briga, o travesti empurrou o cinegrafista] e não sobre a opção sexual da pessoa", diz Datena.

A Defensoria vai recorrer pedindo que Datena seja multado em R$ 246 mil.


O apresentador José Luiz Datena é condenado a uma advertência pela Secretaria da Justiça de SP
Rodrigo Capote/Folhapress

domingo, 26 de dezembro de 2010

DESABAFO DE UMA VÍTIMA DE HOMOFOBIA

Como ter um "FELIZ
ANO NOVO"
nestas
circunstâncias?

http://www.youtube.com/watch?v=kMIjV0-JyYs&feature=player_embedded#!
"João Loureiro que já perdeu um namorado com quem foi casado por 4 anos vítima de uma surra dada por 6 pitboys em ipanema, desabafa e se emociona ao falar dessa onda estúpida de HOMOFOBIA que tem acontecido pelo BRASIL e que tem acarretado em feridos e mortos, dentre eles um amigo dele que faleceu hoje 10/12/2010 vitima de surra e que a família tem vergonha de declarar a imprensa, João já ficou em coma por meses, perdeu parte da audição, visão e movimentos, mas tenta viver uma vida normal, da forma como pode e consegue, tem lançou comunidades no orkut O MUNDO É GLS, BASTA DE HOMOFOBIA E RACISMO, OS GAYS SÃO AMIGOS E LEGAIS, EU QUERO UM NAMORADO GAY, entre outras, é ativista gay e sofre por não ter uma lei que faça da HOMOFOBIA um crime, comentem esse vídeo, propaguem ele, encaminhem, entrem nessa campanha DEIXE OS GAYS EM PAZ, PAREM DE BATER NOS GAYS !!!"
por rayferrj no youtube


SOLICITAMOS QUE REPASSEM PARA SUAS LISTAS
Beijos do Adagoberto





O preconceito é a maior forma de violência.
ASSOCIAÇÃO CULTURAL EMBAIXADA DAS CARICATAS
Tels.: (0xx21) 2509-4926 / 3852-2368 / FAX:2507-4909 / Cel.:9999-2884
www.caricatas.xpg.com.br - caricatas@oi.com.br - orkut

sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

JOÃO BATISTA DE AYRÁ DESEJA FELIZ NATAL..

JOÃO BATISTA DE AYRÁ EDITOR DESTE BLOG, APRESENTADOR DO PROGRAMA DE RÁDIO BRASIL CANDOMBLÉ VERDADE, E EDITOR DO JORNAL IMPRESSO BRASIL CANDOMBLÉ VERDADE, DESEJA A TODOS....

Um feliz natal e um ano novo promissor e repleto de felicidade e alegrias a todos os meus ouvintes, leitores e internautas. Que o natal não signifique apenas uma data comemorativa religiosa, que serve muitas das vezes para se vender e comprar produtos. Mas sim, um momento anual em que devemos todos, em uníssono, voltarmos o nosso pensamento a Deus e aos deuses, e encher os nossos corações de alegrias e de novas esperanças, nos congratulando com todos em nossa volta, nos deixando inebriar por esse sentimento coletivo de querer ser feliz e também de querer fazer o nosso próximo feliz, nem que seja em palavras de votos nesse sentido. Que Deus, que Jesus, que Buda, que Jeová, que Olodumare, que Oxalá, que Tupã e todos os demais deuses cultuados na face da terra, nos abençoe, não somente neste natal, mas também, para todo o sempre.
Feliz dia de confraternização mundial, ou, um Feliz Natal!
É o que desejo a todos vocês.
João Batista de Ayrá/advogado/jornalista/babalorixá.

sábado, 18 de dezembro de 2010

Senado do Brasil aprova $300 milhões para promover agenda gay


Matthew Cullinan Hoffman – BRASIL —

O Senado do Brasil recentemente aprovou um enorme orçamento de 300 milhões de reais para combater a “homofobia”, um termo que inclui críticas ao estilo de vida homossexual.

As verbas serão gastas como parte de um programa homossexualista nacional do governo, “Brasil Sem Homofobia”, que canaliza parte do dinheiro diretamente para organizações homossexuais.

As verbas também deverão ser usadas para custear iniciativas legislativas para criar direitos especiais para os homossexuais no Brasil. Uma iniciativa tal, a “Lei da Homofobia”, também conhecida como PLC 122/06, tornará crime criticar a conduta homossexual no Brasil.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva está fazendo pressões para que a lei seja aprovada nos últimos dias de seu governo, uma façanha que ele não pôde realizar depois de oito anos no cargo, apesar de sua enorme popularidade, indicou o ativista pró-família brasileiro Julio Severo. A sucessora dele, a presidenta eleita Dilma Rousseff, prometeu não promover tais iniciativas legislativas, uma garantia que ela deu aos eleitores quando sua campanha parecia estar ameaçada pelo apoio histórico do partido dela às medidas socialmente esquerdistas.

O programa Brasil Sem Homofobia também será usado para promover a agenda política homossexual a nível internacional, e nas escolas do Brasil. Neste ano o programa “Escolas Sem Homofobia” está destacando uma campanha para normalizar o travestismo nas escolas.

No entanto, a defesa apaixonada de Lula ao homossexualismo provavelmente não terá sucesso no atual clima político e cultural do Brasil. As eleições recentes indicaram que o público é hostil a tais iniciativas, o que fica reforçado pelos resultados de recente pesquisa de opinião pública que mostram que uma grande maioria dos brasileiros se opõe às uniões civis homossexuais.

Fonte: Julio Severo/ noticiasprofamilia /

Adolescente de 13 anos tem nove agulhas no corpo devido a ritual de Magia Negra

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010 /RN,

Jovem teria dito aos médicos que era vítima de rituais de magia negra

Um caso semelhante ao do garoto baiano M.S.A., de três anos, acontecido em dezembro do ano passado, quando foram retiradas 14 agulhas de seu corpo, foi registrado, ontem, quando uma adolescente de 13 anos, que fugiu de Fortaleza, submeteu-se à cirurgia, em hospital de Natal para retirada de nove agulhas detectadas em seu corpo.

As circunstâncias que cercam o caso ainda são desconhecidas e estão sendo apuradas pela 5ª Vara da Infância e Adolescência do Centro de Defesa da Criança e do Adolescente (Cedeca-CE). A menor que está internada desde a última segunda-feira, no Hospital Infantil Maria Alice, em Natal, levada que foi por uma casal de evangélicos, apresentou, de acordo com a diretora geral do hospital um quadro clínico marcado pela gravidade de lesões.

“Ao ser assistida, a garota queixava-se de fortes dores abdominais e quando submetida a exames de raio-x e tomografia, pode-se encontrar quatro agulhas em sua parede abdominal e cinco localizadas na perna”, explicou a diretora Lana Brasil.

A diretora do hospital informou ainda que a jovem em relato apontava ter sofrido violência sexual. “Fizemos um exame ginecológico e identificamos um objeto introduzido na genitália da menina. Isso confirma a versão apresentada por ela, no hospital. O objeto não foi retirado e o laudo deste exame vai ficar pronto nesta quinta-feira”, disse Lana Brasil.

Ontem, foram retiradas as agulhas do corpo da adolescente. “As perfurações causadas pelas agulhas não colocaram em risco a vida dela e a integridade de órgãos vitais”, completou a diretora do hospital potiguar.

Em Natal

O delegado da Cedeca-RN, Luiz Lucena que está acompanhando o caso, relatou, ontem à reportagem do Diário do Nordeste, que segundo informações obtidas, a jovem deixou Fortaleza, no último dia 10, quando viajou até Mossoró (RN) e depois foi para Natal. Após procurar ajuda em uma igreja evangélica, a jovem foi encaminhada ao Conselho Tutelar (SOS Criança), que a direcionou para a “Casa de Passagem” (abrigo público para adolescentes, em risco de rua), daí acompanhada pelo Cedeca/RN, foi encaminhada na segunda-feira à noite ao hospital.

Segundo o delegado, a garota estava transtornada, quando tentou ouvi-la e no pouco que conversou disse ter sofrido abusos e que participava de rituais d e magia negra, por isso tinha fugido de seus pais. “Conseguimos ganhar sua confiança, ela prometeu contar, escrevendo-me uma carta, o que realmente lhe aconteceu”, disse Lucena.

“Mantivemos contato com a promotora Fátima Valente, de Fortaleza e ela nos orientou sobre o caso e pediu que providenciasse alguns exames na jovem, entre os quais o da arcada dentária, já que a mesma não possui qualquer documento que possa identificá-la, principalmente, que registre sua idade”, acrescentou o delegado Lucena.

Apuração

A promotora Fátima Valente, da 5ª Vara da Infância e Adolescência, falou ontem à reportagem, afirmando que o caso da jovem está sob investigação e corre em segredo de Justiça. “Um casal de evangélicos levou-a até nós. A jovem contou-nos que tinha fugido de seus pais adotivos por não aguentar sofrer violências. Daí, a encaminhamos para fazer exame de corpo de delito no Instituto Médico Legal (IML) e outros exames. Ela iniciou os exames, mas não concluiu, preferindo fugir”, relatou a promotora Fátima Valente, que vai ouvir as pessoas envolvidas para tentar elucidar o caso.

Fonte: Diário do Nordeste / O Verbo

Universidade de Londrina proíbe celebração de missa em sua capela


Universidade de Londrina proíbe celebração de missa em sua capela

Pastoral produzia na capela um boletim com logotipo da
universidade , cujo mailing era usado para a distribuição
Por recomendação do Ministério Público, a UEL (Universidade Estadual de Londrina) proibiu a celebração na capela de seu campus da missa de ação de graças e qualquer outro tipo de cerimônia religiosa.

O Estado do Paraná gasta cerca de R$ 800 milhões com o orçamento anual da universidade, que tem 20 mil alunos e mais de 5 mil funcionários.

Para o Ministério Público, pelo fato de o Estado ser laico, nenhuma crença religiosa pode fazer uso da estrutura da UEL.

No ano passado, o procurador da República João Akira Omoto instaurou um procedimento administrativo para apurar a denúncia de que uma entidade católica tinha se instalado na capela. Ficou comprovado que ali a pastoral universitária produzia um boletim que era distribuído pelo mailing da universidade, inclusive com papel com o logotipo da instituição.

Marinete Violin, responsável pelos assuntos jurídicos da UEL, afirmou que a Constituição garante a expressão de crenças religiosas, mas reconheceu que o MP está certo. “O Estado é laico”, disse. “Não se pode usar a estrutura e os instrumentos da universidade para fins religiosos.”

A capela era usada para a missa de ação de graças havia dez anos. Agora, dom Albano Cavallin, arcebispo emérito de Londrina, vai ter de celebrá-la na Capela Nossa Senhora Esperança, no Jardim Champanhat.

Dom Cavallin admitiu que a pastoral cometeu “uma falha” ao usar papel com o timbre da universidade, mas disse que a proibição da missa “não tem fundamento jurídico consistente”.

Afirmou que, na missa da capela do Jardim Champanhant, vai falar “o que é estado secular, estado laico e estado ateu”.

Com informação da Rádio Paiquerê AM, de Londrina, e foto de Rodrigo Torrezan
2ª fonte:paulolopesweblog

"Vou Abrir a Minha Igreja e Já Volto”Não existem requisitos teológicos ou doutrinários para criar um culto religioso

Não existem requisitos teológicos ou doutrinários para criar um culto religioso.

Leia abaixo matéria publicada pela “Folha de São Paulo” e a seguir os comentários do Dr. Alfonso Presti do Ministério Público de São Paulo

Eu, Claudio Angelo, editor de Ciência da Folha, e Rafael Garcia, repórter do jornal, decidimos abrir uma igreja. Com o auxílio técnico do departamento Jurídico da Folha e do escritório Rodrigues Barbosa, Mac Dowell de Figueiredo Gasparian Advogados, fizemo-lo. Precisamos apenas de R$ 418,42 em taxas e emolumentos e de cinco dias úteis (não consecutivos). É tudo muito simples. Não existem requisitos teológicos ou doutrinários para criar um culto religioso. Tampouco se exige número mínimo de fiéis.
Com o registro da Igreja Heliocêntrica do Sagrado EvangÉlio e seu CNPJ, pudemos abrir uma conta bancária na qual realizamos aplicações financeiras isentas de IR e IOF. Mas esses não são os únicos benefícios fiscais da empreitada. Nos termos do artigo 150 da Constituição, templos de qualquer culto são imunes a todos os impostos que incidam sobre o patrimônio, a renda ou os serviços relacionados com suas finalidades essenciais, as quais são definidas pelos próprios criadores. Ou seja, se levássemos a coisa adiante, poderíamos nos livrar de IPVA, IPTU, ISS, ITR e vários outros "Is" de bens colocados em nome da igreja.
Há também vantagens extratributárias. Os templos são livres para se organizarem como bem entenderem, o que inclui escolher seus sacerdotes. Uma vez ungidos, eles adquirem privilégios como a isenção do serviço militar obrigatório (já sagrei meus filhos Ian e David ministros religiosos) e direito a prisão especial.

Algumas igrejas abertas do mesmo modo (todas reais):

- Igreja da Água Abençoada
- Igreja Adventista da Sétima Reforma Divina
- Igreja da Bênção Mundial Fogo de Poder
- Congregação Anti-Blasfêmias
- Igreja Chave do Éden
- Igreja Evangélica de Abominação à Vida Torta (????)
- Igreja Batista Incêndio de Bênçãos
- Igreja Batista Ô Glória!
- Congregação Passo para o Futuro
- Igreja Explosão da Fé
- Igreja Pedra Viva
- Comunidade do Coração Reciclado (o pessoal do Greenpeace frequenta essa)
- Igreja Evangélica Missão Celestial Pentecostal
- Cruzada de Emoções
- Igre ja C.R.B. (Cortina Repleta de Bênçãos) (rival da Igreja C.S.A., também de Alagoas)
- Congregação Plena Paz Amando a Todos
- Igreja A Fé de Gideão
- Igreja Aceita a Jesus
- Igreja Pentecostal Jesus Nasceu em Belém (do Pará?)
- Igreja Evangélica Pentecostal Labareda de Fogo (que nem nas videocassetadas do Faustão...)
- Congregação J. A. T. (Jesus Ama a Todos)
- Igreja Evangélica Pentecostal a Última Embarcação Para Cristo (quem perder vai ter que ir a pé!)
- Igreja Pentecostal Uma Porta para a Salvação
- Comunidade Arqueiros de Cristo
- Igreja Automotiva do Fogo Sagrado (ESSE DEVIA TER ABERTO UMA CONCESSIONÁRIA)
- Igreja Batista A Paz do Senhor e Anti-Globo (só o Chaves salva!)
- Assembléia de Deus do Pai, do Filho e do Espírito Santo (e do amém)
- Igreja Palma da Mão de Cristo (não tem a da sola do pé de Cristo, também?
- Igreja Menina dos Olhos de Deus
- Igreja Pentecostal Vale de Bênçãos (vale-refeição?)
- Associação Evangélica Fiel Até Debaixo D’Água (vai Curíntia!)
- Igreja Batista Ponte para o Céu (essa sim é uma ponte aérea!)
- Igreja Pentecostal do Fogo Azul (é uma igreja a gas)
- Comunidade Evangélica Shalom Adonai, Cristo! (Salamaleikon, Buda!)
- Igreja da Cruz Erguida para o Bem das Almas (só faltava ser da cruz caída...)
- Cruzada Evangélica do Pastor Waldevino Coelho, a Sumidade (devia ser "a Humildade")
- Igreja Filho do Varão
- Igreja da Oração Eficiente
- Igreja da Pomba Branca
- Igreja Socorrista Evangélica
- Igreja ‘A’ de Amor (a Xuxa tá sempre lá)
- Cruzada do Poder Pleno e Misterioso
- Igreja do Amor Maior que Outra Força
- Igreja Dekanthalabassi (QUE LÍNGUA É ESSA GENTE????)
- Igreja dos Bons Artifícios
- Igreja Cristo é Show
- Igreja dos Habitantes de Dabir
- Igreja ‘Eu Sou a Porta’
- Cruzada Evangélica do Ministério de Jeová, Deus do Fogo
- Igreja da Bênção Mundial
- Igreja das Sete Trombetas do Apocalipse
- Igreja Barco da Salvação
- Igreja Pentecostal do Pastor Sassá (será o Sassá Mutema?!)
- Igreja Sinais e Prodígios
- Igreja de Deus da Profecia no Brasil e América do Sul
- Igreja do Manto Branco
- Igreja Caverna de Adulão (pensei que fosse Caverna do Dragão)
- Igreja Este Brasil é Adventista
- Igreja E.T.Q.B (Eu Também Quero a Bênção)
- Igreja Evangélica Florzinha de Jesus (QUE DEUS ME PERDOE, MAS ISSO FICOU TÃO GAY)
- Igreja Cenáculo de Oração Jesus Está Voltando
- Ministério Eis-me Aqui
- Igreja Evangélica Pentecostal Creio Eu na Bíblia
- Igreja Evangélica A Última Trombeta Soará
- Igreja de Deus Assembléia dos Anciãos
- Igreja Evangélica Facho de Luz
- Igreja Batista Renovada Lugar Forte (ou será Caixa-Forte?)
- Igreja Atual dos Últimos Dias (mais atual impossível!)
- Igreja Jesus Está Voltando, Prepara-te
- Ministério Ap ascenta as Minhas Ovelhas
- Igreja Evangélica Bola de Neve (é igreja ou escola infantil?)
- Igreja Evangélica Adão é o Homem (alguém achava que ele era gay?)
- Igreja Evangélica Batista Barranco Sagrado (onde diabos ficará o tal barranco sagrado?!)
- Ministério Maravilhas de Deus (a igreja do Dadá, do Túlio e da Mara)
- Igreja Evangélica Fonte de Milagres
- Comunidade Porta das Ovelhas
- Igreja Pentecostal Jesus Vem, Você Fica (QUE EGOÍSTA)
- Igreja Evangélica Pentecostal Cuspe de Cristo (eca!!!)
- Igreja Evangélica Luz no Escuro (filosófico, né?)
- Igreja Evangélica O Senhor Vem no Fim
- Igreja Pentecostal Planeta Cristo
- Igreja Evangélica dos Hinos Maravilhosos (o do Fluminense é uma pintura!)
- Igreja Evangélica Pentecostal da Bênção Ininterrupta
- Assembléia de Deus Batista A Cobrinha de Moisés (sem comentários...)

Assembléia de Deus Fonte Santa em Biscoitão (o biscoitão é em homenagem ao pastor)
- “Igreija” Evangélica Muçulmana Javé é Pai (se os árabes descobrem, vai dar guerra santa!)
- Igreja Abre-te-Sésamo (a igreja dos 40 ladrões)

- Igreja Assembléia de Deus Adventista Romaria do Povo de Deus (ufa!)
- Igreja Bailarinas da Valsa Divina (também conhecida como Clube da Luluzinha
- Igreja Batista Floresta Encantada (fica na Disney)

- Igreja da Bênção Mundial Pegando Fogo do Poder
- Igreja do Louvre (eles investem em obras de arte)
-- Igreja Evangélica Batalha dos Deuses (politeísta?)
- Igreja Evangélica do Pastor Paulo Andrade, O Homem que Vive sem Pecados (é o Cristo em pessoa!)
- Igreja Evangélica Idolatria ao Deus Maior
- Igreja MTV, Manto da Ternura em Vida (a Cicarelli apresenta o culto lá)
- Igreja Pentecostal Marilyn Monroe (prefiro os maradonianos lá da Argentina)
- Igreja Quadrangular O Mundo É Redondo (patrocinada pela Skol)

- Igreja Evangélica Florzinha de Jesus (Londrina -PR) (ui!)

- Igreja Pentecostal Trombeta de Deus (Samambaia -DF)
- Igreja Pentecostal Alarido de Deus (Anápolis -GO)
- Igreja pentecostal Esconderijo do Altíssimo (Anápolis -GO) (COITADO DO ALTÍSSIMO, VIROU FUGITIVO!)
- Igreja Batista Coluna de Fogo (Belo Horizonte -MG)
- Igreja de Deus que se Reúne nas Casas (Itaúna -MG)
- Igreja Evangélica Pentecostal a Volta do Grande Rei (Poços de Caldas -MG)
- Igreja Evangélica Pentecostal Creio Eu na Bíblia (Ub erlândia -MG)
- Igreja Evangélica a Última Trombeta Soará (Contagem -MG)
- Igreja Evangélica Pentecostal Sinal da Volta de Cristo (Três Lagoas -MS)
- Igreja Evangélica Assembléia dos Primogênitos (João Pessoa -PB)
- Ministério Favos de Mel (Rio de Janeiro -RJ)
- Assembléia de Deus com Doutrinas e sem Costumes (Rio de Janeiro -RJ)

Texto a seguir por Alfonso Presti - Ministério Público de São Paulo

Meus Sacerdotes,
Quando um culto, não possui um regramento mínimo,
Quando a liberdade de culto é utilizada sem qualquer critério,
Quando as pessoas não aceitam regras ou tutela mínima é isso que pode acontecer.
Com certeza, dentre estas Igrejas, haverá algum Sacerdote sério e que tenha bons princípios e boas finalidades.
Porém, estarão todos achincalhados por um sistema que se permite a esses abusos.
Assim, como os senhores, pessoas que respeito enormemente, são achincalahdos por abusos alheiros.
Os absurdos alheios devem nos servir como ponto de reflexão e nos fazer pensar qual o reflexo disso na nossa tradição, quando a formalização nos chegar em que estaremos sob a visão e tutela formal do Estado e da sociedade.
Devemos nos lembrar que sempre somos vidraça e quase nunca o estilingue.
Com preocupação noto o avanço dos cultos evangélicos na Bahia, inegavelmente nosso berço.
Pouco mudamos ou queremos mudar. Estamos mais preocupados em impor regras aos nossos simpatizantes e fiéis e menos preocupados em explicar o fundamento de nossa religiosidade. A importância de nossos atos e nossa adesão.
As pessoas devem ser acolhidas, nunca a elas imposta atitudes e obrigações que não tenham a capacidade de compreensão do sentido e da importância.
Acho que devemos repensar alguns valores. Criamos "pais de santo" que conhecem fundamentos (alguns duvidosos) e que sabem aplicá-los, mas nos esquecemos de criar os sacerdotes.
Dessa forma, entendo que não se continuarmos refratários a olhar o entorno e ver o que quer a sociedade brasileira pretende de um culto e tradição religiosa, estaremos fadados a vê-la perecer.
Isso é a ultima coisa que gostaria de ver ocorrer com o Candomblé e a Umbanda.

Att.
Alfonso

comentário:

Esta notícia nos dar uma idéia mais abrangente de como as coisas funcionam nesse mundo podre da exploração da fé, principalmente das pessoas mais humildes e de poucos esclarecimentos políticos, jurídicos e religiosos, que se tornam presas fáceis nas mãos desses "tubarões da fé".É evidente que o govero é o maior reponsável por estes tipos de facilidades a disposição de qualquer um do povo, para poder abrir um "templo religioso", dando inclusive incentivos fiscais e isenção de pagamento de impostos e taxas. Caríssimos internautas, com tantas facilidades, quem não se lançaria em tal aventura ? Claro e evidente, que existem exceções, que são a maioria, ou seja, de pessoas realmente comprometidas com alguma ideologia ou dogma religioso a ponto de levá-los a assumir um compromiso tão sério, que é justamente o de abrir um templo religioso e assumir as suas responsabilidade junto a ele e a sua respectiva comunidade religiosa, coisa muito séria. Porém, vale lembrar que a carapuça serve também para nós candomblecistas e umbandistas, visto que, na nossa religião também existem outras facilidades de igual monta, com a diferença de que para abrir uma roça de candomdomblé, uma tenda de umbanda, um terreiro de omolocô ou um simples terreiro de umbandomblé, se torna mais fácil ainda, dada as facilidades que os exploradores da fé também possuem nesse campo religioso, por conta ainda dos famigerados "cursinhos de odus" minitrados por outros tantos embusteiros, que jogam no mercado, se é que se pode chamar a nossa religião de um mercado de negócios! centenas de novos "formados e diplomados", na ciência dos odus, e estes, com o beneplácito das autoridades constituídas que não possuem meios legais de reprimir esta prática danosa, usando como desculpa para essa omissão,a liberdade de culto, que por ser um princípio contitucional deve ser respeitado. Delegando assim, os poderes de fiscalização as instituições que teriam esse poder, que seriam as Federações e Confederações. Desta forma o que a gente ver, são pessoas despreparadas, a exemplo das igrejas pentecostais de cunho duvidoso, abrirem "terreiros e mais terreiros", de candomblé, de umbanda, de omolocô ou de umbandomblé, a "lá vonté", como dizem os franceses.
E quem paga a conta? Somos nós, os sacerdotes preparados para esse mister, para essa missão, bem como, parte da população que procura estes "terreiros" estes ditos"pais de santo", despreparados e embusteiros, que se danam a fazer experiâncias ditas espirituais, nas cabeças desses incautos, que em troca de algumas "patacas", se propõem a fazer "ebós", "boris", e até "feitura de santo". E aí meus caros ! É só esses "clientes" partirem pro abraço. Ou seja, o abraço da desgraça, da fome, da miséria ou da loucura. E o lado bom da religião, seja ela a pentecostal, católica ou a afro-brasileira, é quem paga o pato, e que pato!
Mas vamos em frente, um dia essas facilidades irão acabar, mas não pensem que vai depender somente do governo, é um trabalho conjunto de todos, católicos, pentecostais e afro-brasileiros no sentido de fiscalizar para depois cobrar e finalmente proibir tais práticas tão danosas que colidem com as verdadeiras regras do bom viver e atuar religioso em toda a sua extensão da palavra.
João Batista de Ayrá/advogado/jornalista/babalorixá

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

Acusados de matar homossexual em Londres são considerados culpados

16/12/2010
DA BBC BRASIL

Duas pessoas que espancaram um homossexual em uma praça no centro de Londres em 2009 foram condenadas por homicídio culposo nesta quinta-feira.

Ian Baynham, de 62 anos, foi atacado na Trafalgar Square em setembro de 2009 e morreu 18 dias depois.

Ele recebeu socos de Joel Alexander, de 20 anos, e então foi pisoteado várias vezes pela jovem Ruby Thomas, enquanto estava inconsciente, no chão.

Baynham, que era funcionário público, tinha saído com um amigo, Philip Brown e estava na região central de Londres quando Thomas começou a ofendê-lo de forma homofóbica.

Ele então a enfrentou e a briga começou, Thomas tentou acertá-lo com sua bolsa, que foi agarrada pela vítima.

Joel Alexander interveio e acertou um soco em Baynham, jogando-o no chão. A vítima bateu a cabeça na calçada e desmaiou, sendo pisoteado no peito e cabeça por Thomas. Baynham sofreu lesão cerebral grave.

Outra adolescente que teria participado do ataque, Rachael Burke, de 18 anos, foi considerada culpada pela briga e inocentada da acusação de homicídio culposo.

Eles serão sentenciados apenas em 2011.

"ALCOOLIZADAS"

O promotor Brian Altman afirmou durante o julgamento nesta quinta-feira que as adolescentes estavam sob o efeito de "grandes quantidades de álcool" no momento do ataque contra Baynham.

"Existem provas de que as acusadas então começaram a chutar Baynham, que ainda estava caído, claramente inconsciente", afirmou.

"Transeuntes chocados viram os vários pisões em seu peito e os chutes em sua cabeça", acrescentou.

A irmã de Ian Baynham, Jenny, de 59 anos, afirmou que não consegue entender a morte de seu irmão.

"Fiquei horrorizada com o que aconteceu e acho difícil entender o porquê uma pessoa poderia ter o atacado daquela forma. Parece tão irônico que a vida dele tenha acabado de forma tão horrível e sem sentido nas ruas de Londres, que ele amava tanto", afirmou.

Morre em S. Paulo Pai Pérsio de Xangô


Morre em S. Paulo Pai Pérsio de Xangô

Faleceu na madrugada desta terça-feira (14/12), o Tata Pérsio de Xangô, um dos mais importantes babalorixá do Candomblé de S. Paulo, do Ilé Alákétu Asè Airá, localizado no bairro Batistini, em S. Bernardo do Campo, na região do Grande ABC. Pai Pérsio tinha problemas com a diabete que lhe debilitou a saúde e provocou sua morte.

Dele, o professor e estudioso do Candomblé, Reginaldo Prandi, escreveu:"Pérsio de Xangô, que já morava em São Paulo com casa de umbanda, voltou à Bahia em 1968, onde se iniciou com Nezinho de Muritiba, sendo sua dofona de barco Tia Nilzete, filha carnal de Simpliciana, ialorixá do Axé de Oxumarê, em Salvador. Em 1971, Pérsio iniciou Tonhão de Ogum, de quem mãe Rosinha foi a mãe-pequena. Seu Nezinho da Muritiba era o chefe do terreiro do Portão de Muritiba, no Recôncavo, onde Mãe Rosinha de Xangô era mãe-pequena."

Depois da morte de Nezinho de Muritiba, Tata Pérsio deu obrigação de 7 anos com Mãe Menininha, Ialorixá do Terreiro do Gantois, em Salvador, a que esteve filiado até sua morte.
Lamentamos informar o passamento de nosso querido Pai Pérsio de Xângo.

O velório está acontecendo no Axé Batisitini, à Rua Antonio Batisitini, 226 no Bairro Batistini em São Bernardo do Campo e o enterro está marcado para esta quarta-feira (15/12), ainda sem horário confirmado, no Cemitério Baeta Neves, em S. Bernardo.

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Homens pobres e negros são as principais vítimas de agressão física no país


15/12/2010
Homens pobres e negros são as principais vítimas de agressão física no país
Isabela Vieira
Repórter da Agência Brasil

Rio de Janeiro - Rapazes pobres e negros (pretos e pardos, segundo critérios estatísticos) são as principais vítimas de agressão física no país, constatou pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), realizada com dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (Pnad) de 2009.

O suplemento divulgado hoje (15) revela que 2,5 milhões de pessoas com 10 anos ou mais de idade foram vítimas de agressão física, o equivalente a 1,6% da população brasileira. A maior parte das vítimas é homem (56,4%) entre 16 e 14 anos. Nessa faixa de idade, 2,2% da população sofreram uma agressão. Entre 25 e 34 anos, 2% também passou por essa situação.

Segundo a pesquisa, as agressões estavam ligadas à cor de pele. Do total de 6,9% de pretos na população brasileira, 14% disseram ter sido vítimas de violência. Dentre os pardos, que representam 44,16% da população, 12,1% foram vitimizados. Dos brancos, 11,9% passaram por essa situação, sendo que esses representam 48,22% da população.

"Isso não é uma coincidência. É racismo", disse uma das coordenadoras da organização não governamental Criola Jurema Werneck sobre os dados. "Esses jovens estão em situação de vulnerabilidade porque suas mães, seus pais e os outros negros estão ali. Porque as condições de direito e cidadania nunca foram estendidas até eles", avaliou.

A condição de vulnerabilidade dos jovens negros também reflete o rendimento per capita dos domicílios. O levantamento constatou que o percentual de pessoas agredidas crescia em direção oposta à renda. Enquanto 2,2% dos agredidos estavam na menor classe de renda (recebendo um quarto do salário mínimo), nas classes com rendimentos superiores ao salário, estava 1%.

Acima da média nacional, as regiões Norte e Nordeste registraram um percentual maior de vítimas, 1,9% e 1,8%, respectivamente. Nessas localidades, a proporção de homens vítimas de violência foi de 2,4% e de 2,2%. Por outro lado, nas regiões Sul e Sudeste onde menos pessoas sofrem agressões (1,4%), os homens vitimizados eram 1,8% e 1,5% da população.

Do total de entrevistados pelo IBGE, entre setembro de 2008 e setembro de 2009, a maioria dos agressores são desconhecidos das vítimas (39% dos casos). O número de algozes conhecidos, porém, é de 36,2%. Em 12,2% dos casos, os cônjuges foram citados, seguidos dos parentes (8,1%), policiais ou seguranças particulares (4,5%).

Entre as mulheres, foi constatado que uma a cada quatro foram agredidas por cônjuges ou ex-cônjuges (25,9%), principalmente no local de residência (80,5%). Entre os homens, o percentual de vítimas de esposas ou ex-esposas é de 2%.


Edição: Lílian Beraldo

'Quem não teve uma namoradinha que teve que abortar?', indaga Cabral


Governador do Rio comparou legislação brasileira com a de outros países.
Até 300 mil mulheres por ano tratam abortos malfeitos em hospitais, disse.
O governador do Rio, Sérgio Cabral, durante
seminário em São Paulo nesta terça (14)
(Foto: Carlos Magno/Governo do Rio de Janeiro)
O governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral (PMDB), disse nesta terça-feira (14) que a atual legislação sobre aborto no país é uma “vergonha” e afirmou que há "hipocrisia" sobre o tema. Ele defendeu a ampliação dos casos em que a interrupção da gravidez é permitida. Atualmente, apenas mulheres vítimas de estupro e que correm risco de morte podem obter autorização judicial para fazer um aborto.

O Brasil está dando certo, é aprofundar a democracia, vamos aprofundar a liberdade de imprensa, aprofundar a vida como ela é, discutir os temas que têm que ser discutidos. O aborto, por exemplo, foi muito mal abordado na campanha eleitoral. Será que está correto um milhão de mulheres todo ano fazerem o aborto, talvez mais, em que situação, de que maneira? Não vamos enfrentar, então está bom. Então o policial na esquina leva a graninha dele, o médico lá topa fazer o aborto, a gente engravida uma moça – eu não porque já fiz vasectomia e sou bem casado – mas engravidou... Quem é que aqui não teve uma namoradinha que teve que abortar?”, questionou o governador.
Será que está correto um milhão de mulheres todo ano fazerem o aborto, talvez mais, em que situação, de que maneira? Não vamos enfrentar, então está bom. Então o policial na esquina leva a graninha dele, o médico lá topa fazer o aborto, a gente engravida uma moça – eu não porque já fiz vasectomia e sou bem casado – mas engravidou... Quem é que aqui não teve uma namoradinha que teve que abortar?"
Sérgio Cabral (PMDB), governador do Rio
Cabral deu as declarações durante discurso em um seminário organizado pela revista "Exame", em São Paulo, sobre oportunidades de negócios no Rio de Janeiro para a Copa do Mundo de 2014 e as Olimpíadas de 2016, e em uma entrevista logo após o evento.
Na entrevista, Cabral foi questionado sobre a frase. Disse que estava falando de homens que tiveram namoradas que engravidaram e foram abortar em clínicas clandestinas. “Isto é a vida como ela é. Só que o sujeito de classe alta, ele tem uma clínica clandestina de aborto, mas em melhores situações”, afirmou.
O governador do Rio de Janeiro defendeu discussões sobre mudanças na legislação."Vamos encarar a vida como ela é. Acho que está faltando ao Brasil, neste momento, sem dispensar todo o acúmulo que tivemos nesses anos, aprofundar a democracia, os problemas, a legislação", declarou.
Cabral disse que a dicussão sobre o tema deve ser ampliada com a sociedade. "Vamos discutir com a classe médica e as mulheres. Mas tem que ser ampliado [o debate]. Do jeito que está está errado, está falso, está mentiroso, hipócrita. É uma vergonha para o Brasil."
Ele comparou as restrições da legislação brasileira sobre o aborto com a de países onde a religião tem uma influência maior na esfera política. "Vamos pegar países onde a religião tem um peso significativo: Espanha, Portugal, Itália, França, Estados Unidos, Grã Bretanha. Será que esses países gostam menos da vida do que nós? Será que o povo inglês, francês, italiano, povo português, gosta menos da vida do que o povo brasileiro? Esse é o ponto", disse.
saiba mais


Segundo ele, entre 200 mil e 300 mil mulheres são atendidas anualmente em hospitais para reparar danos causados por abortos malfeitos.

"Ninguém é a favor do aborto, você é a favor do direito da mulher a recorrer a um serviço público de saúde para a interrupção de uma gravidez. Imagino que não tem nenhuma mulher no mundo a favor e nenhum homem. Mas uma coisa é uma mulher, por necessidade física, psicológica, orgânica, psiquiátrica, desejar interromper uma gravidez. Acho que o poder público tem que estar preparado para atender essa mulher. Isso é uma hipocrisia [não pemitir o atendimento]", opinou.
‘Fábrica de marginal’
Em 2007, em entrevista exclusiva ao G1 , Cabral havia defendido o aborto como forma de combater a violência no Rio de Janeiro. "Tem tudo a ver com violência. Você pega o número de filhos por mãe na Lagoa Rodrigo de Freitas, Tijuca, Méier e Copacabana, é padrão sueco. Agora, pega na Rocinha. É padrão Zâmbia, Gabão. Isso é uma fábrica de produzir marginal", declarou na época.

Cabral usou como argumento teses do livro "Freakonomics", dos norte-americanos Steven Levitt e Stephen J. Dubner, que estabelece relação entre a legalização do aborto e a redução da violência nos EUA.
Maria Angélica Oliveira Do G1, em São Paulo

Lula é Papai Noel dos gays, diz presidente da ABGLT

15/12/2010
A Folha
LARISSA GUIMARÃES
DE BRASÍLIA

Em encontro com os movimentos sociais nesta quarta-feira, o presidente Lula foi chamado de "Papai Noel dos gays".

Ao discursar durante o evento, o presidente da ABGLT (Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais), Toni Reis, lembrou que nesta semana o governo decidiu que casais gays, em união estável, podem declarar o Imposto de Renda juntos.

Também nesta semana, o governo decidiu criar um conselho nacional voltado ao movimento gay com a função de combater a homofobia e promover os direitos dessa comunidade.

"O Lula é muito gente boa. Tem até a barba branca, é o Papai Noel dos gays", afirmou, arrancando gargalhadas da plateia, composta por lideranças do movimento social.

O presidente da ABGLT, no entanto, lembrou que tem crescido manifestações homofóbicas no país, como os recentes ataques a homossexuais na avenida Paulista. Ele reclamou também da atuação do Legislativo. "O Executivo bancou muitas coisas, mas o Legislativo está em falta com a gente", criticou.

Ao fim do discurso, Reis entregou a Lula uma bandeira com as cores do arco-íris, do movimento gay.

Em Fortaleza, igreja gay se torna alvo de ataques


15/12/2010 -
A Folha
LUIZA BANDEIRA
DE SÃO PAULO

Uma igreja evangélica que defende a inclusão de homossexuais e cujos fiéis são na maioria gays virou alvo de ataques em Fortaleza.

A Comunidade Cristã Nova Esperança foi pichada com os dizeres "Morte aos gay e sapatão (sic)", "Igreja gay filosofia do diabo", "Fora bando de gays" e "Homofobia não é crime".

A presidente da igreja na cidade, Sara Cavalcante, relatou que pessoas que passam na rua jogam pedras no local e ameaçam incendiar o imóvel.

De acordo com ela, as agressões começaram com as pedradas, no último mês de agosto. Depois disso, os cadeados da igreja foram danificados.

Já as pichações começaram em outubro e se intensificaram no mês passado. Neste mês, até urina, diz Sara, já foi jogada pela porta da comunidade.

A igreja, que fica no bairro Nova América, não tem placas ou nome na porta, de acordo com a líder, justamente para evitar exposição.

As pichações mais ofensivas escritas nas paredes da igreja cearense foram cobertas com tinta.

"Somos uma igreja evangélica pentecostal, só que o diferencial é que nas outras igrejas os homossexuais têm certa dificuldade de desenvolver sua área espiritual."

Igreja evangélica que defende a inclusão de homossexuais vira alvo de ataques em Fortaleza

DIVERSIDADE

Sara diz que sua igreja abre as portas para abraçar a diversidade. "Cremos que a salvação é para todos, que Deus é um só e que todos têm liberdade de culto", afirma.

A igreja, segundo Sara, está em Fortaleza há três anos e nunca havia sofrido ataques homofóbicos.

Ela afirma que cerca de 60 religiosos frequentam o local, a maior parte gays, lésbicas e travestis.

INVESTIGAÇÃO

A Polícia Civil está investigando o caso. Até ontem, os autores das agressões não haviam sido identificados.

Segundo Felipe Lopes, da Coordenadoria de Diversidade Sexual da Secretaria Municipal de Direitos Humanos de Fortaleza, será feito um trabalho educativo com os moradores do bairro e de uma igreja metodista que fica na mesma rua.

domingo, 12 de dezembro de 2010

A intolerância que bate à porta


JORNAL "O EXTRA" FILIADO DAS EDIÇÕES GLOBO FALA DA DESASSOCIAÇÃO




A intolerância que bate à porta



Você já ouviu algo sobre desassociação? Pois bem, no início deste ano, o Ministério Público do Ceará recebeu uma denúncia inusitada. Um funcionário público federal, ex-seguidor das Testemunhas de Jeová, entrou na Justiça para garantir seu direito de não ser perseguido - nem proscrito - pela instituição. Segundo Sebastião Ramos, 52, “todas as pessoas que saem ou são expulsas da Igreja - por mau comportamento ou por discordar dos dogmas propostos - é terminantemente proibido de ter contado com amigos e familiares que permanecem como seguidores. É como se nós, os desassociados, estivéssemos mortos para as pessoas que amamos”, desabafa.




Nos últimos meses tenho acompanhando a luta deste grupo que tenta denunciar, ao que me parece, um certo tipo de excomunhão. Quando iniciei a pesquisa sobre a desassociação dos membros da Igreja Testemunha de Jeová – movimento que ganha contorno de luta política e judiciária, com forte articulação no nordeste - as pessoas me diziam “ah, Rosiane, ninguém dá bola para isso. Quem é que se preocupa se foi excomungado ou desassociado? É só seguir a vida”. Este até pode ser o caminho para quem é excomungado pela Igreja Católica, mas acredito que a desassociação é algo mais difícil.

Em primeiro lugar não pretendo diagnosticar se os procedimentos religiosos de uma ou outra Igreja são melhores ou piores. Farei a comparação entre a excomunhão praticada pela Igreja Católica e a desassociação das Testemunhas de Jeová, por um motivo simples: é possível que já tenhamos ouvido falar sobre excomunhão. Já a desassociação é um conceito similar, mas que não apenas bane a pessoa do convívio religioso, mas social.

Em linhas gerais, a excomunhão é usada em casos extremos de violação de dogmas e não se tem notícias de que outros católicos sejam obrigados a cortar relações sociais e familiares com o excomungado. Um documento da Organização Católicas pelo Direito de Decidir aponta que médicos, profissionais de saúde e conselheiros tutelares já não levam em conta se são excomungados ou não pela Igreja, nos casos de aborto legal. Enfim, é uma questão que só afeta o próprio seguidor e, à princípio, não gera transtornos em sua vida social. Já a desassociação promove, segundo relato das vítimas, uma ruptura com a estrutura social e familiar do ex-membro. Os desassociados ficam com suas “fichas sujas” e são ignorados se assistirem ou frequentarem, mesmo que o mais distante dos Templos. O nome do “proscrito” é anunciado no púlpito e a partir daí, quem ousar acenar - num simples olá! – recebe a mesma punição.

Para os desassociados, o mais difícil é romper com a família. Ramos ainda relata que o fato é comum com vários ex-seguidores e que as regras da desassociação são extremamente rígidas. “Se não forem obedecidas, ou seja, se algum membro falar ou cumprimentar um ex-membro e for denunciado, será expulso também. E todos temem passar por isso. Há o caso de uma jovem que foi desassociada e que é obrigada a ficar trancada no quarto para não ter contato com outros seguidores das testemunhas de Jeová, quando visitam sua casa”, revela.


O caso está sendo acompanhado pelo Escritório Frei Tito de Alencar, vinculado a Comissão de Direitos Humanos da Assembléia Legislativa do Estado do Ceará. Devido ao ineditismo da ação, o Tribunal de Justiça resolveu arquivar a denúncia do MP. Uma campanha contra a desassociação, com direito a out-doors, reportagens e adesão de vários religiosos, está à pleno vapor no Estado. Religiosos de outras denominações se sentem perplexos diante das denúncias. A Procuradoria de Justiça do Ceará, segundo informação da vítima, está recorrendo da decisão. Mais em http://extestemunhasdejeova.net/forum/
http://extra.globo.com/geral/religiaoefe/rosianerodrigues/posts/2010/10/27/a-intolerancia-que-bate-porta-335678.asp
Rosiane Rodrigues é jornalista

SP - Justiça Convoca Religiosos para Audiência sobre Símbolos Religiosos




SP - Justiça Convoca Religiosos para Audiência sobre Símbolos Religiosos “Eu tenho grande esperança de que se decida finalmente pela laicidade do Estado Brasileiro, 120 anos depois.” – Daniel Sotomaior Realizou-se no dia 7 de dezembro, na Justiça Federal de São Paulo, Audiência sob a presidência do Exmo. Juiz da 3ª Vara Cível, Dr. Ricardo Geraldo Rezende Silveira, com representantes de diversas religiões, com a finalidade de ouvir suas opiniões a respeito da continuidade ou não de símbolos religiosos afixados em estabelecimentos públicos. Pai Jamil Rachid, representante da União de Tendas de Umbanda e Candomblé do Brasil, foi convocado pelo Ministério Público, como representante das Religiões Afro-Brasileiras, acompanhado do advogado e Ogã, Dr. Basílio de Xangô.

“Trata-se, de uma Audiência Civil Pública e que teve inicio por intermédio do Ministério Público Federal. Na realidade, é uma revogação de anulação de atos administrativos, que estão na eminência de ser aprovados e o Ministério Público por intercessão dessa audiência, tenta barrar esses atos normativos. De acordo com a laicidade do Estado, o Ministério Público quer ouvir representantes de várias religiões no sentido de opinar para que a Justiça Federal possa dar parecer, favorável ou não, à continuidade dos símbolos religiosos em estabelecimentos públicos”, disse Ogã Basílio. “Esta ação é de suma importância, pois se vê que o Ministério Público, autoridade maior na Justiça, entende e vê a gente (Religiões Afro-Brasileiras) como religião, a ponto de estar chamando para uma audiência”, continua.

Todo o símbolo influencia psicologicamente o ser humano através de mensagens específicas captadas pela visão. Esta teoria é comprovada pela Psicologia Acadêmica. No caso dos crucifixos expostos nas repartições públicas, sugere-se que o Estado favorece o Cristianismo, considerando-o como doutrina oficial do país, contrariando os princípios e as definições de Estado Laico. Da mesma forma que os demais cultos são obrigados a respeitar e obedecer os feriados católicos, a imposição do crucifixo, como o existente na Assembléia Legislativa do Estado de São Paulo, pressupõe que o Parlamento Paulista, seja cristão. Um exemplo muito comum, são os judeus que em suas datas religiosas comemorativas, faltam ao serviço, não tendo o apoio do Estado, dificultando a concretização da identidade religiosa. O mesmo acontece com os Islâmicos e principalmente com as Religiões Afro-Brasileiras.

Além de Pai Jamil Rachid, várias outras autoridades das mais diversas religiões, estiveram presentes, tais como Henry Sobel, representando a Comunidade Israelita e foram ouvidos individualmente. Segundo Daniel Sotomaior, fundador do Movimento Brasil para Todos, e que compareceu representando os ateus, foi através do Movimento Brasil para Todos que foi enviada representação de pedido de retirada dos símbolos religiosos, o que culminou na ação na Justiça Federal: “Compareci na condição de testemunha. Este é um momento ímpar na história. Não tenho notícia de nenhuma outra ação na justiça com esse teor. Tenho grandes expectativas porque do pouco que conheço do que consta nos autos, o juiz está se dando ao trabalho de fazer uma coleta de provas, escutando diversos setores religiosos, o que demonstra ser um bom sintoma e eu tenho grande esperança de que se decida finalmente pela laicidade do Estado Brasileiro, 120 anos depois.”

“É incômodo para os cidadãos não-Cristãos se relacionarem com monstruosas árvores ou enfeites de natal nas cidades em que moram e são chamados de munícipes. Por que então, não enfeitar todo o Parque do Ibirapuera com Ojás Brancos durante as Águas de Oxalá em São Paulo?”, argumentou o Babalorixá Flávio de Yansan. A Associação Brasileira de Liberdade Religiosa e Cidadania, ABLIRC, na pessoa de seu presidente, Professor Samuel Luz foi nomeada para assessorar a Promotoria Pública. A próxima audiência está marcada para o dia 23 de fevereiro de 2011.

divulgação

comentário:

Esta questão dos simbolos religiosos nas repartições públicas brasileiras, tem gerado muita discussão no campo jurídico e político, mas, se a Justiça Federal decidir pela retirada de tais símbolos em respeito a laicidade do estado, estaremos dando um grande passo democráico rumo ao respeito as demais religiões existentes no brasil, que não abraçam o dogma católico.Todavia, acreditamos, mesmo que tal avanço aconteça, o Brasil ainda continuará tendo manifestações católicas ainda por muitas décadas, ou quem sabe, séculos. O natal é um grande exemplo de massificação católica contra todo o povo, as ruas se enfeitam com símbolos cristãos, o primeiro grande deles é a tradicional árvore de natal, e o chamado espírito natalino embalado ao som de cânticos religiosos tão tradicionais. Esta cultura religiosa que impera no natal, tem a idade do Brasil. Será que um dia teremos comemorações e fim de ano, algum dia que não esteja ligada a igreja católica, ao santo menino,e a febre de consumismo tão comums nesta época? Quais a expressões de felicitações que usaríamos no natal, ao povo de santo, aos judeus, aos mulçumanos, aos ateus, aos agnósticos ? Visto que feliz natal, é uma felicitação e uma mensagem católica. Ufa! vai ser difícil. Mas esperemos para ver.Enquanto isso, feliz natal!
João Batista de Ayrá/advogado/jornalista/babalorixá

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

Previdência formaliza pagamento de pensão em união homoafetiva

10/12/2010 - JOHANNA NUBLAT
DE BRASÍLIA

A pensão por morte do companheiro do mesmo sexo foi formalizada em portaria do Ministério da Previdência Social, publicada no "Diário Oficial da União" desta sexta-feira. Ela vale para todos os regidos pelo regime-geral da Previdência, no setor privado.

Segundo a norma, "os dispositivos da lei nº 8.213, de 24 de julho de 1991 [sobre os Planos de Benefícios da Previdência Social], que tratam de dependentes para fins previdenciários devem ser interpretados de forma a abranger a união estável entre pessoas do mesmo sexo".

Os benefícios já vinham sendo pagos desde 2000, por força de uma liminar. Em junho deste ano, a AGU (Advocacia-Geral da União) divulgou um parecer em que reforçava o direito de o companheiro do mesmo sexo receber pensão por morte e auxílio-reclusão.

O Ministério da Previdência diz que, agora, o pagamento será feito independentemente da existência de uma liminar. Disse ainda que não é possível identificar quantos benefícios já foram concedidos para uniões homoafetivas.

O procedimento para comprovar a união homoafetiva é o mesmo para uniões estáveis de casais heterossexuais. É necessário apresentar documentos, como disposições testamentárias e escritura pública declaratória de dependência econômica. A lista pode ser conferida no site da Previdência Social.

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

09/12/2010 Cresce risco de homicídio no país entre jovens negros

O risco de um jovem negro ser assassinado cresceu entre 2005 e 2007 no país, chegando a uma probabilidade 3,7 vezes maior em relação a um jovem branco.

Foz do Iguaçu (PR) lidera assassinatos entre jovens

Esse índice é maior que o verificado em 2005, quando o risco era três vezes maior em relação a jovens brancos.

As informações fazem parte do (IHA) Índice de Homicídios na Adolescência, que também cresceu, divulgado na quarta-feira (8) pela Secretaria Especial dos Direitos Humanos.

O chamado IHA estima o número de adolescentes de 12 anos, num grupo de 1.000, que será assassinado antes dos 19 anos.

O IHA nacional em 2007 ficou em 2,67, considerando-se os 266 municípios com mais de 100 mil habitantes. O valor é maior que o de 2006 (2,39) e 2005 (2,51).

Valores acima de um indicam "risco inaceitável de violência letal contra adolescentes", diz a pesquisa.

Estima-se que 32.912 adolescentes serão assassinados entre 2007 e 2013.

ARMAS DE FOGO

O estudo também aponta aumento no risco de homicídio de jovens por arma de fogo e no Nordeste do país.

Em 2005, o risco de assassinato por arma de fogo era 5,47 maior que por outros meios. Em 2007, 5,97.

No Nordeste, as preocupações se concentram sobretudo nos centros metropolitanas de Recife e Maceió.

A capital paulista se manteve abaixo da média nacional (1,7 em 2005 e 1,26 em 2007), assim como boa parte dos municípios de São Paulo. Apenas Votorantim teve índice acima de 3 no Estado.

O maior IHA do país foi novamente registrado em Foz do Iguaçu (PR), explicado por fatores como tráfico de drogas e exploração sexual de crianças e adolescentes.
A Folha.

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Teresa Cruvinel propõe abrir programação da TV Brasil a todas religiões


terça-feira, 7 de dezembro de
A presidente da EBC (Empresa Brasileira de Comunicação), Tereza Cruvinel, disse que vai propor ao conselho curador da entidade que a TV Brasil se abra a todas as religiões. De acordo com levantamento do IBGE, existem no Brasil centenas de credos.

O conselho se reuniu hoje para discutir o fato de a emissora privilegiar na sua programação apenas duas religiões, a católica e a evangélica.

A proposta da Crunivel difere da do conselheiro Daniel Aarão Reis, que vinha defendendo que a emissora apresentasse um programa sobre as crenças, sem entregar horário a religiosos para que façam proselitismo, como ocorre atualmente.

Cruvinel admitiu que há na entidade e fora dela um debate “muito caloroso”, porque “há quem diga que o Estado é laico e, portanto, as oito emissoras de radio da EBC e a TV Brasil não deveriam apresentar programas com conteúdo religioso.

Na interpretação dela, contudo, a TV Brasil não é do Estado, mas pública, porque pertence à sociedade, que professa diferentes crenças. Esse argumento é questionável porque as emissoras são financiadas pelo dinheiro que o Estado arrecada via cobrança de impostos.

A presidente da EBC defendeu a criação de uma regulamentação de conteúdo que abranja todos os meios de comunicação. Para representantes do setor, o que o governo pretende, na verdade, é controlar a divulgação de informação, principalmente de emissoras de grande audiência, como a Globo.

A TV Brasil consome perto de R$ 700 milhões por ano. Desse total, R$ 400 milhões vêm do orçamento da União. No Ibope, a audiência da emissora dá traço – o que significa que praticamente ninguém a assiste.

Com informação do Portal Terra
e paulolopesweblog

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Yansan e o Búfalo


Ogum foi um dia caçar na floresta. Ele ficou na espreita e viu um búfalo vindo em sua direção. Ogum avaliou logo à distância que os separava e preparou-se para matar o animal com a sua espada. Mas viu o búfalo parar e, de repente, baixar a cabeça e despir-se de sua pele. Desta pele saiu uma linda mulher. Era Yansan, vestida com elegância, coberta com panos, um turbante luxuoso amarrado à cabeça e ornada de colares e braceletes.
Yansan enrolou sua pele e seus chifres, fez uma trouxa e escondeu num formigueiro.

Partiu, em seguida, num passo leve, em direção ao mercado da cidade, sem desconfiar que Ogum tinha visto tudo. Assim que Yansan partiu, Ogum apoderou-se da trouxa, foi para casa, guardou-a no celeiro de milho e seguiu, também, para o mercado.

Lá, ele encontrou a bela mulher e a cortejou. Yansan era bela, muito bela, era a mais bela mulher do mundo. Sua beleza era tal que se um homem a visse, logo a desejaria.
Ogum foi subjugado e pediu-a em casamento. Yansan apenas sorriu e recusou sem apelo.
Ogum insistiu e disse-lhe que a esperaria. Ele não duvidava de que ela aceitasse sua proposta. Yansan voltou à floresta e não encontrou seu chifre nem sua pele.

Ah! Que contrariedade! Que teria se passado? Que fazer? Yansan voltou ao mercado, já vazio, e viu Ogum que a esperava. Ela perguntou-lhe o que ele havia feito daquilo que ela deixara no formigueiro. Ogum fingiu inocência e declarou que nada tinha a ver, nem com o formigueiro nem com o que estava nele. Yansan não se deixou enganar e disse-lhe: Eu sei que escondeu minha pele e meu chifre. Eu sei que você se negará a me revelar o esconderijo. Ogum, vou me casar com você e viver em sua casa. Mas, existem certas regras de conduta para comigo.
Estas regras devem ser respeitadas, também, pelas pessoas da sua casa. Ninguém poderá me dizer: Você é um animal! Ninguém poderá utilizar cascas de dendê para fazer fogo.

Ninguém poderá rolar um pilão pelo chão da casa Ogum respondeu que havia compreendido e levou Iansã. Chegando em casa, Ogum reuniu suas outras mulheres e explicou-lhes como deveriam comportar-se. Ficara claro para todos que ninguém deveria discutir com Iansã, nem insultá-la.

A vida organizou-se. Ogum saía para caçar ou cultivar o campo.
Yansan, em vão, procurava sua pele e seus chifres. Ela deu à luz uma criança, depois uma segunda e uma terceira Ela deu à luz a nove crianças.

Mas as mulheres viviam enciumadas da beleza de Yansan. Cada vez mais enciumadas e hostis, elas decidiram desvendar o mistério da origem de Yansan. Uma delas conseguiu embriagar Ogum com vinho de palma. Ogum não pôde mais controlar suas palavras e revelou o segredo. Contou que Yansan era, na realidade, um animal;
Que sua pele e seus chifres estavam escondidos no celeiro de milho.

Ogum recomendou-lhes ainda: Sobretudo não procurem vê-los, pois isto a amedrontará.
Não lhes digam jamais que é um animal! Depois disso, logo que Ogum saía para o campo, as mulheres insultavam Iansã: Você é um animal! Você é um animal!!
Elas cantavam enquanto faziam os trabalhos da casa: Coma e beba, pode exibir-se, mas sua pele está no celeiro de milho! Um dia, todas as mulheres saíram para o mercado.

Yansan aproveitou-se e correu para o celeiro. Abriu a porta e, bem no fundo, sob grandes espigas de milho, encontrou sua pele e seus chifres.
Ela os vestiu novamente e se sacudiu com energia. Cada parte do seu corpo retomou exatamente seu lugar dentro da pele. Logo que as mulheres chegaram do mercado, ela saiu bufando. Foi um tremendo massacre, pelo qual passaram todas. Com grandes chifradas Yansan rasgou-lhes a barriga, pisou sobre os corpos e rodou-os no ar.
Ela poupou seus filhos que a seguiam chorando e dizendo: Nossa mãe, nossa mãe! É você mesma?
Nossa mãe, nossa mãe! Que você vai fazer?

Nossa mãe, nossa mãe! Que será de nós?
O búfalo os consolou, roçando seu corpo carinhosamente no deles e dizendo-lhes:
Eu vou voltar para a floresta; lá não é bom lugar para vocês.
Mas, vou lhes deixar uma lembrança.
Retirou seus chifres, entregou-lhes e continuou:
Quando qualquer perigo lhes ameaçar, quando vocês precisarem dos meus conselhos, esfreguem estes chifres um no outro. Em qualquer lugar que vocês estiverem, em qualquer lugar que eu estiver, escutarei suas queixas e virei socorre-los. Eis por que dois chifres de búfalo estão sempre no altar de Yansan

Fonte: Taba de Oxossi
Art

O Pagador de Promessas - Preconceito e Intolerância Religiosa


- Preconceito e Intolerância Religiosa Em nome de Yansan e Santa Bárbara na Festa do dia 4 de dezembro O pagador de promessas é um filme brasileiro de 1962, do gênero drama, escrito e dirigido por Anselmo Duarte. Zé do Burro é um homem humilde que enfrenta a intransigência da Igreja ao tentar cumprir a promessa feita em um Terreiro de Candomblé de carregar uma pesada cruz por um longo percurso. Zé do Burro é o dono de um pequeno pedaço de terra no Nordeste do Brasil. Seu melhor amigo é um burro. Quando este adoece, Zé faz uma promessa à uma Mãe-de-Santo do Candomblé: se seu burro se recuperar, promete dividir sua terra igualmente entre os mais pobres e carregará uma cruz desde sua terra até a Igreja de Santa Bárbara em Salvador, onde a oferecerá ao padre local. Assim que seu burro se recupera, Zé dá início à sua jornada.

O filme se inicia com Zé, seguido fielmente pela esposa Rosa, chegando à catedral de madrugada. O padre local recusa a cruz de Zé após ouvir dele a razão pela qual a carregou e as circunstâncias "pagãs" em que a promessa foi feita. Todos em Salvador tentam se aproveitar do inocente e ingênuo Zé. Os praticantes de Candomblé querem usá-lo como líder contra a discriminação que sofrem da Igreja Católica, os jornais sensacionalistas transformam sua promessa de dar a terra aos pobres em grito pela reforma agrária. A polícia é chamada para prevenir a entrada de Zé na Igreja, e ele acaba assassinado em um confronto violento entre policiais e manifestantes a seu favor. Na última cena do filme, os manifestantes colocam o corpo morto de Zé em cima da cruz e entram à força na Catedral.

Alguns dos atores que participaram do filme: Leonardo Villar (Zé do Burro), Glória Menezes (Rosa), Dionísio Azevedo (padre Olavo), entre outros. Foi indicado na categoria de Melhor Filme Estrangeiro ao Oscar 1963 (EUA), ganhou a Palma de Ouro no Festival de Cannes 1962 (França), ganhou o Prêmio Especial do Júri do Festival de Cartagena 1962 (Colômbia), ganhou o Prêmio Golden Gate nas categorias de Melhor Filme e Melhor Trilha Sonora no San Francisco International Film Festival 1962 (EUA)

Análise
O Pagador de Promessas expressa a crítica à sociedade urbana e de massas capitalista. O homem, no sistema capitalista, é um ser que luta contra uma engrenagem social que promove a sua desintegração, ao mesmo tempo que aparenta e declara agir em defesa de sua liberdade individual. Para adaptar-se a essa engrenagem, o indivíduo concede levianamente, ou abdica por completo de si mesmo. O Pagador de Promessas é a história de um homem que não quis conceder – e foi destruído. Seu tema central é, assim, o mito da liberdade capitalista. Baseado no princípio da liberdade de escolha, a sociedade elitista não fornece ao indivíduo os meios necessários ao exercício dessa liberdade, tornando-a, portanto, ilusória.

O enfoque principal do autor não é, portanto, a questão religiosa. Não obstante, as personagens, diálogos e contexto sócio-político, também permitem a reflexão nesta perspectiva. O próprio autor admite que “há também a intolerância, o sectarismo, o dogmatismo, que fazem com que vejamos inimigos naqueles que, de fato estão do nosso lado”. Sua preocupação não se restringe à intolerância religiosa, como podemos deduzir a partir do confronto entre o Padre Olavo e Zé-do-Burro, mas abarca a intolerância universal. Os preconceitos que produzem a intolerância se nutrem de diversos alimentos. A intolerância tem várias faces e se faz presente em qualquer época e território onde pise o ser humano. A história da humanidade é também a história da sua incapacidade de conviver com o outro, com o diferente.

Padre Olavo veste batina, podia vestir farda ou toga. É padre, podia ser dono de um truste. E Zé-do-Burro, crente do interior da Bahia, podia ter nascido em qualquer parte do mundo, muito embora o sincretismo religioso e o atraso social, que provocam o conflito ético, sejam problemas locais, fazem parte de uma realidade brasileira. Zé-do-Burro é trucidado não pela Igreja, mas por toda uma organização social, na qual somente o povo das ruas se confraterniza e a seu lado se coloca, inicialmente por instinto e finalmente pela conscientização produzida pelo impacto emocional de sua morte. A invasão final do templo tem nítido sentido de vitória popular e destruição de uma engrenagem da qual, é verdade, a Igreja, como instituição, faz parte.

Porém, da mesma forma que a engrenagem mostra fissuras, representada pela reação de solidariedade ao Zé-do-Burro, os indivíduos que representam a instituição eclesiástica, em especial o Padre Olavo, também poderiam ter atitude mais flexível diante do pagador da promessa. Em outras palavras, os indivíduos agem diante da estrutura (engrenagem) num campo limitado de ação, é verdade, mas como possibilidades. Se o indivíduo faz a história dentro de determinadas condições, estas podem ser transformadas por ele. O contrário é imaginarmos uma situação em que os indivíduos não têm escolha a não ser se submeter.

O Candomblé mencionado no contexto de O Pagador de Promessas se constituiu na Bahia no século XIX, a partir das tradições de povos Yorubás, ou Nagôs, com influências de costumes trazidos por grupos Fons, aqui denominados Jejes, e residualmente, por grupos africanos minoritários. O Candomblé se constitui inicialmente como uma religião de resistência dos escravos e seus descendentes, numa sociedade de domínio branco e católico. Era através do Candomblé, como das demais religiões de origens africanas, que os negros mantinham e renovavam seus vínculos com as tradições culturais da África. O negro podia contar com um mundo negro, fonte de uma África simbólica, mantido vivo pela vida religiosa dos Terreiros, como meio de resistência ao mundo branco, que era o mundo do trabalho, do sofrimento, da escravidão, da miséria.

Porém, os negros não podiam simplesmente fazer de conta que existia apenas o mundo resguardado pela tradição e religião. Sua existência exigia se fazer presente também no mundo dos brancos, interagindo com estes e sua religião. Esta é a fonte do sincretismo religioso. O autor Roger Bastide mostrou como a habilidade do negro, durante o período colonial, de viver em dois diferentes mundos ao mesmo tempo era importante para evitar tensões e resolver conflitos difíceis de suportar sob a condição escrava. Logo, o mesmo negro que reconstruiu a África nos Candomblés reconheceu a necessidade de ser, sentir-se e mostrar-se brasileiro, como única possibilidade de sobrevivência, e percebeu que para ser brasileiro era absolutamente imperativo ser católico, mesmo que se fosse também de Orixá. O sincretismo se funda neste jogo de construção de identidade. O Candomblé nasce católico quando o negro precisa ser também brasileiro.

O contexto histórico e social, isto é, o processo de modernização e as transformações pelas quais passava a sociedade na época colaboram para o sucesso da peça e do filme. Se considerarmos a sua sociedade enquanto uma realidade contraditória e em movimento, é possível romper-se com o determinismo de cunho político e econômico. Se a sociedade modela o indivíduo e determina os limites da sua ação, este, por ser agente histórico e ativo, também pode influir sobre os rumos da sociedade. Assim, a intolerância e o preconceito não são fixos e naturais, mas algo que interage com os diferentes contextos sociais. Diferentes épocas podem dificultar ou favorecer sua manifestação. E, mesmo em tempos sombrios, sempre há indivíduos cujas posturas contribuem para o questionamento e superação da intolerância, ainda que sejam minoritários e talvez não se façam ouvir.

A obra de Dias Gomes é uma contribuição fundamental para que se possa pensar as relações entre as diversas religiões e a necessidade de desenvolvermos meios e comportamentos que favoreçam a tolerância religiosa. Pois, mesmo hoje os novos cruzados semeiam os ventos da intolerância. Os tempos são outros, mas o acirramento da competição no mercado de salvação das almas termina por reproduzir as pequenas e grandes inquisições que opõem o bem ao mal. A demonização da religião considerada como concorrente ainda é um recurso muito utilizado. Na sociedade em tempos de globalização parece acirrar-se a intolerância religiosa. No tempo presente, apesar de toda a sua evolução social e tecnológica, persistem o preconceito e a intolerância expressados na obra dos anos 1960. São renitentes e revitalizados não apenas por setores da Igreja Católica, mas também por outros grupos religiosos vinculados ao neo-pentecostalismo. A demonização do outro é um recurso importante não apenas para ganhar adeptos, mas também para purgar culpas. Se a arte expressa a realidade, ela permanece atual.

E a temática sobre Intolerância Religiosa continua

O cinema baiano, tem entre seus representantes no Festival do Rio 2010, o veterano Póla Ribeiro, que trouxe seu filme “Jardim das Folhas Sagradas”. O filme conta a história de um homem que deve fundar um novo Terreiro de Candomblé, mas tem que lidar com várias formas de preconceito: sexual, racial e religioso. Segundo Póla Ribeiro, mais do que uma temática regional, o filme se construiu a partir das discussões de movimentos negros e ecologistas da Bahia e de alguns outros cantos do país. O longa é a materialização deste debate, que está ocorrendo nos principais centros urbanos do mundo, onde é forte a presença dos negros.

Em “Jardim…”, fala-se de convivência social, política e religiosa, do respeito à diversidade e da questão da sustentabilidade. Debate-se como uma religião ancestral se estruturou no Brasil após uma viagem de trágicas conseqüências, se enraizou em nossa cultura e hoje oferece caminhos para se relacionar com a modernidade em desenvolvimento, ao mesmo tempo que com a natureza. A meta era trabalhar acerca do mistério que envolve a cidade de Salvador e o Recôncavo baiano, falar da cultura da sua gente negra que, infelizmente, sempre foi vista e tratada com superficialidade.

A base inicial foi a leitura de um Oriki (poema, música ou reza em Yorubá) de Xangô e a intenção era quebrar um paradigma na Bahia: de que os negros não gostavam de filmes sobre negros. Póla compreendia que os negros não se sentiam representados naquelas imagens, e passou a freqüentar de fato os encontros, as festas, os lugares e os seminários organizados pelo ‘povo de santo’ (os adeptos do Candomblé). Na Bahia acontecem eventos como a Jornada das Folhas, do Ferro ou do Barro e durante dois ou três dias as pessoas debatem e trocam experiências. Discutem a questão do registro da sua tradição, que tem por definição um traço oral, questões de transformação, permanência e o significado atual dos seus rituais. Debatem a questão do sincretismo, do poder, da mídia, cotas, violência e visibilidade. Tudo ao mesmo tempo agora.

Conhecia os filmes acerca do tema e suas interdições. Filmes que mostram tudo, mas ao mesmo tempo não mostram nada sobre a temática. Obras como o filme Umbandista “Amuleto de Ogum”, de Nelson Pereira dos Santos, ou o Candomblé de ‘Tenda dos Milagres”, do mesmo diretor, contribuíram para sua pesquisa e formação. Reproduziu na ficção textos do filme “Yaô”, de Geraldo Sarno, e desenvolveu um diálogo constante com “Barravento”, de Glauber Rocha, mas depois cortou esta parte do roteiro final. E finaliza: “fiz um filme coletivo porque é assim que entendo o cinema”.

Fonte: Uol Cinema
Espaço Acadêmico
Wiki

O Acarajé de Oyá


O acarajé dos Yorubás da África Ocidental que deu origem ao brasileiro é por sua vez semelhante ao Falafel árabe inventado no Oriente Médio Yansan é Orixá dos ventos e das tempestades, Senhora dos raios e dona da alma dos mortos. A ela são oferecidos os bolinhos feitos de feijão fradinho e fritos no azeite de dendê, o acarajé. Segundo a lenda, a deusa dos ventos, mulher de Xangô, foi a casa de Ifá, buscar um preparado para seu marido. Ifá entregou o encantamento e recomendou que quando Xangô comesse fosse falar para o povo. Yansan desconfiou e provou o alimento antes de entregá-lo ao marido. Nada aconteceu. Quando chegou em casa entregou o preparado ao marido, lembrando o que Ifá dissera. Xangô comeu e quando foi falar ao povo, começaram a sair labaredas de fogo da sua boca. Yansan ficou aflita e correu para ajudar o marido gritando Kawô Kabiesilé. Foi então que as labaredas começaram a sair da sua boca também. Diante do ocorrido o povo começou a saudá-los: Obá anlá Òyó até babá Inà, ou seja, Grande Rei de Oyó, Pai do Fogo. Essa história explica o nome do acarajé, que vem do yorubá akárà (bola de fogo) e jè (comer).
O escritor Manuel Querino em A arte culinária na Bahia, de 1916, conta, na primeira descrição sobre o acarajé, que “no início, o feijão fradinho era ralado na pedra, de 50 cm de comprimento por 23 de largura, tendo cerca de 10 cm de altura. A face plana, em vez de lisa, era ligeiramente picada por canteiro, de modo a torná-la porosa ou crespa. Um rolo de forma cilíndrica, impelido para frente e para trás, sobre a pedra, triturava facilmente o milho, o feijão, o arroz”.
O acarajé dos Yorubás da África Ocidental (Togo, Benin, Nigéria, Camarões) que deu origem ao brasileiro é por sua vez semelhante ao Falafel árabe inventado no Oriente Médio. Os árabes levaram essa iguaria para a África nas diversas incursões entre os séculos VII a XIX. As favas secas e grão de bico do Falafel foram alternados pelo feijão-fradinho na África.
Mesmo ao ser vendido num contexto profano, o acarajé ainda é considerado, uma comida sagrada. Por isso, a sua receita, embora não seja secreta, não pode ser modificada e deve ser preparada apenas pelos filhos-de-santo. O acarajé oferecido ao Orixá Yansan é ornado com nove ou sete camarões defumados, simbolizando “mensan orum” nove Planetas. O acará de Xangô tem uma forma ovalar imitando o cágado que é seu animal preferido. O acarajé também é um prato típico da culinária baiana e um dos principais produtos vendidos no tabuleiro da baiana e são mais carregados no tempero e mais saborosos, diferentes de quando feitos para o Orixá.
A forma de preparo é praticamente a mesma, a diferença está no modo de ser servido: ele pode ser cortado ao meio e recheado com vatapá, caruru, camarão refogado, pimenta e salada de tomates verde e vermelho com coentro. Há uma certa similaridade do acarajé com o abará. A diferença está na maneira de cozer. O acarajé é frito, ao passo que o abará é cozido no vapor.

Fonte: Pelo Pelourinho

Iyalorixás promovem atos para combater à fome e à discriminação Rio


- Os Terreiros de Candomblé abriram as suas portas para a solidariedade na Baixada Fluminense. Uma iniciativa que se transformou em ações que buscam combater a fome, o abuso e a discriminação. Mazelas que incomodavam as Iyalorixás Beata, Meninazinha e Torody, expoentes do Candomblé na Baixada Fluminense.
Com população de 4 milhões de habitantes, a Baixada é uma das regiões mais carentes do Estado do Rio. A precariedade de recursos nos municípios despertou em Mãe Beata de Yemanjá, do Terreiro Ilê Omiojuarô, em Miguel Couto, Nova Iguaçu, a luta contra a desigualdade. “Sempre tive essa ideologia. Não admito que um irmão coma caviar e outro cate comida do lixo” disse Mãe Beata de Yemanjá. “Temos oficinas de ferreiro, samba de roda, informática e teatro. Queremos incentivar outros terreiros a seguirem esse exemplo.

A Iyalorixá acredita que o trabalho valoriza a própria Cultura Yorubá, que, segundo ela, não promove discriminação: “Nosso pai (Deus) não nos separa. Quem faz o apartheid somos nós.” Separação também não está no vocabulário de Maria do Nascimento (foto), de 73 anos. Conhecida como Mãe Meninazinha de Oxum, a Yalorixá do Terreiro Ilê Omolu e Oxum mora em São Matheus, em São João de Meriti, desde 1973. “Assim que chegamos aqui, costumávamos distribuir alimentos do Terreiro à comunidade” disse Mãe Meninazinha. Hoje, a casa de Mãe Meninazinha, que também é Ponto de Cultura, distribui cestas básicas e oferece cursos voltados à temática africana, além de oficinas de confecção de adereços e vestimentas para Orixás. A Iyalorixá se diverte com a movimentação na casa: “Eu fico feliz de ver esse movimento de pessoas que vêm aqui aprender.

Na mesma cidade, no bairro da Venda Velha, a tríade se completa com Olídia Maria da Conceição Lyra da Silva, de 52 anos, a Mãe Torody do Terreiro Ilê Axé Ala Koro Wo. Filha de líder sindical, Mãe Torody foi educada sob a filosofia de ajudar o próximo. “A Venda Velha é carimbada de vermelho. Invisto na cidade por meio de projetos sociais”, afirmou Mãe Torody. Segundo a Iyalorixá, cerca de 400 pessoas da comunidade são atendidas pelas atividades sociais na área de saúde, cultura, educação, geração de renda e meio ambiente.



Fonte: Globo

Aprovação da Lei da Mordaça Gay será o último ato do Governo Lula?


(Por Julio Severo) – Tentativas de manobrar o projeto anti-“homofobia” ocorrerão no Senado entre os dias 8 e 9 de dezembro de 2010.

Conforme depoimento de muitos parlamentares evangélicos e acontecimentos nos últimos dias no Senado Federal, venho a público com uma informação emergencial. Ativistas do movimento homossexual articularam com senadores que apoiam sua agenda um avanço, no Senado Federal entre os dias 8 e 9 de dezembro de 2010, do famoso PLC 122/06, que torna crime inafiançável a crítica ao comportamento homossexual, ou seja, imporá sobre o Brasil uma lei que tratará como criminosa toda pessoa que expressar uma opinião contrária ao homossexualismo.
COMENTÁRIO

Este será um grande embate democráico a ser travado no Congresso nesses próximos dias, no apagar das luzes do mandato do Presidente Lula, todas as atenções estarão voltadas para essa luta, que podemos classificar de uma luta entre o "Gigante e Golias", no caso Golias, são os homosexuais, que após uma luta contínua na busca do reconhecimnto político, jurídico e social dos seus direitos de opção sexual e de respeito a essa opção por todos os brasileiros.E o Gigante, são as forças retrógradas contrárias a esses avanços por parte daqueles que eles alcunharam de "minorias", no caso específico, segmentos pentecostais e católicos tids como radicais aos extremos, que fazem um trabalho de "combate a demônio", tendo como um dos motes (motivo), o homosexualismo, que seria, segundo o seu entendimento, uma "tentação demoníaca", e nunca uma opção verdadeira, que deve e deverá ser respeitada. É evidente que da maneiro como prevê o projeta em pauta, a simples menção de forma discriminatória aos homosexuais e a sua opção, será considerado crime. Eis portanto, o grande temor do "Gigante". Mas a última palavra dará a casa do povo (O Congresso).

No dia 08/12/2010 (quarta-feira) haverá Sessão Ordinária na Comissão de Direitos Humanos para discutir diversos assuntos já estabelecidos em pauta. Aproveitando a estação do Natal e a aparente desmobilização dos cristãos e dos políticos, parlamentares ligados à militância gay têm a intenção, conforme evidências a que tivemos acessos, de apresentar um requerimento extra-pauta pedindo a dispensa da realização das audiências públicas para que, em vez de se continuar discutindo o PLC 122, ele seja imediatamente votado.

Esta não é a primeira vez que os ativistas GLBT tentam esse tipo de manobra. Numa madrugada de dezembro de 2008 a Senadora Fátima Cleide, relatora do PLC 122/2006, tentou aprovar um requerimento de urgência ao PLC 122/2006 no Plenário do Senado durante as discussões do Orçamento da União. Para tal finalidade, Cleide já havia recolhido no requerimento a assinatura de vários líderes de partidos que assinaram enganados sem saber que se tratava do polêmico projeto anti-“homofobia”. Ela contava também com o apoio da então líder do governo, Senadora Ideli Savati. Mas naquela madrugada o Senador Magno Malta estava presente e não deixou que a votação acontecesse.

Então é possível que a relatora e outros senadores a tentem novamente pedir o regime de urgência. Essa é a última cartada da senadora, que está em seus últimos dias no Congresso, tendo sido impedida de continuar representando Rondônia no Senado, por ter sido rejeitada nas urnas pelo povo de seu estado.

Se conseguirem essa última cartada, a votação do PLC 122/06 (emendado) no plenário do Senado será de fácil aprovação, pois as emendas apresentadas e aprovadas pela Comissão de Direitos Humanos do Senado aparentam um projeto de lei sem “aparentes violações” ao direito de liberdade de expressão e consciência, o que o torna a sua aprovação pelos senadores uma possibilidade fácil.

Os meios de comunicação de massa também colaborarão para essa facilitação, mostrando cenas de violências contra homossexuais, com o propósito de passar uma imagem de “massacre” de homossexuais o Brasil, criando uma atmosfera favorável para aprovação do PLC 122 no Senado.

O pior não é essa estratégia de aprovação pelo Plenário do Senado, mas o que acontecerá na Câmara dos Deputados, pois depois de aprovado no Senado com as alterações propostas o PLC 122 voltará para a Câmara dos Deputados onde nasceu.

E ai é que está o perigo e a armadilha principal, pois existe uma forte mobilização para que na semana seguinte à aprovação do PLC 122 pelo Senado Federal, ele seja votado imediatamente no Plenário da Câmara, e é certeza que o movimento gay já está fazendo seu trabalho de pressão junto aos deputados para que eles DERRUBEM TODAS AS EMENDAS APROVADAS PELOS SENADORES, as quais suavizaram um pouco o projeto, ou seja, o texto do PLC 122 passa ser válido na sua forma brutal e ditatorial original como foi aprovado no ano de 2006 na Câmara, com todas as questões gravíssimas, ilegalidade e inconstitucionalidade já apontadas por diversos juristas e instituições, entre elas a Igreja Evangélica e a CNBB.

Os ativistas do movimento homossexual estão certos de que conseguirão derrubar na Câmara Federal todas as emendas dos senadores.

Em seguida o texto aprovado na Câmara na forma original que foi proposto será enviado para a sanção ou veto presidencial. Esse será o último grande ato do presidente Lula.
Fonte: O Verbo / www.juliosevero.com

COMENTÁRIO

Este será um grande embate democrático a ser travado no Congresso nesses próximos dias, no apagar das luzes do mandato do Presidente Lula, todas as atenções estarão voltadas para essa luta, que podemos classificar de uma luta entre o "Gigante e Golias", no caso Golias, são os homosexuais, que após uma luta contínua na busca do reconhecimento político, jurídico e social dos seus direitos de opção sexual e de respeito a essa opção por todos os brasileiros.E o Gigante, são as forças retrógradas contrárias a esses avanços e que são aqueles que os alcunharam de "minorias", no caso específico, segmentos pentecostais e católicos tidos como radicais aos extremos, que fazem um trabalho de "combate ao demônio", tendo como um dos motes (motivo), o homosexualismo, que seria, segundo o seu entendimento, uma "tentação demoníaca", e nunca uma opção verdadeira, que deve e deverá ser respeitada. É evidente que da maneira como prevê o projeto em pauta, a simples menção de forma discriminatória aos homosexuais e a sua opção, será considerado crime. Eis portanto, o grande temor do "Gigante". Mas a última palavra dará a casa do povo (O Congresso).
João Batista deAyrá/advogado/jornalista/babalorixá

SBT recusa oferta de igrejas por espaço na TV


O empresário e proprietário do SBT, Silvio Santos, recusou as propostas feitas por igrejas evangélicas para compra de horários na faixa da madrugada da emissora. Segundo a coluna de Monica Bergamo, no jornal Folha de S.Paulo, Santos analisou várias ofertas, mas recusou todas.

Até segunda ordem, o canal não cederá espaço para programas evangélicos na faixa da madrugada. Além disso, o apresentador do “Programa Silvio Santos” tem planos para incluir novos formatos na emissora. O empresário está em Los Angeles (EUA) estudando inovações para a TV, e de lá, viaja para Miami onde ficará para as festas de fim de ano.

Recentemente, o SBT recebeu propostas de ao menos três igrejas evangélicas – entre elas a Igreja Internacional da Graça de Deus, de R.R. Soares, e o Ministério Silas Malafaia. Representantes de Soares teriam oferecido R$ 10 milhões por mês para ter direito a cinco horas diárias na grade de programação da emissora. Até mesmo a Igreja Universal do Reino de Deus (IURD), do bispo Edir Macedo, teria pretensões de adquirir espaço no canal.

As proposta foram feitas depois do anúncio do rombo financeiro do Banco Panamericano, que pertence ao Grupo Silvio Santos. O empresário deu a emissora e outras empresas da companhia como garantia do pagamento de um empréstimo feito pelo Fundo Garantidor de Crédito no valor de R$ 2,5 bilhões.

Fonte: Folha Online / ADIBERJ

domingo, 5 de dezembro de 2010

MPF quer retratação de TV por ofensa a ateus

Acusação de preconceito

O Ministério Público Federal entrou com ação civil pública, com pedido de liminar, para que a Rede Bandeirantes de Televisão se retrate publicamente por ofensas divulgadas pelo apresentador José Luiz Datena no programa “Brasil Urgente” contra ateus.

Datena é um dos principais clientes do Judiciário no mundo do entretenimento e do jornalismo popular. Apenas em São Paulo ele é réu em ao menos 41 casos. Segundo um de seus advogados, ele corre risco calculado. Como as condenações giram em torno de 25 mil reais, o que ele ganha causando dano moral a pessoas é bem inferior ao que ele perde pagando indenizações. "Ele faz papel de maluco, mas sabe muito bem o que está fazendo", afirmou o advogado.

Caso a Justiça conceda a liminar, no caso do desrespeito à liberdade de crença, a emissora será obrigada a exibir, durante o programa, um quadro com retratação e esclarecimentos à população sobre a diversidade religiosa e a liberdade de consciência e de crença no Brasil, com duração de no mínimo o dobro do tempo usado para exibição das mensagens ofensivas.

No programa veiculado no dia 27 de julho, Datena comentou por mais de 50 minutos um crime na companhia do repórter Márcio Campos. De acordo com o MPF, o apresentador fez associações preconceituosas entre criminalidade e descrença religiosa, apontando as pessoas que não creem em Deus como os responsáveis pela deterioração da sociedade. “É por isso que o mundo está essa porcaria. Guerra, peste, fome e tudo mais, entendeu? São os caras do mau. Se bem que tem ateu que não é do mau, mas, é ..., o sujeito que não respeita os limites de Deus, é porque não sei, não respeita limite nenhum", afirmou o apresentador.

Datena também afirmou que o crime em questão fora obra de pessoas sem limites. “Esse é o garoto que foi fuzilado. Então, Márcio Campos, é inadmissível, você também que é muito católico, não é possível, isso é ausência de Deus, porque nada justifica um crime como esse, não Márcio?”.

Em setembro, a Associação Brasileira dos Ateus e Agnósticos (Atea) entrou com processo contra a Band e Datena por preconceito. As ações foram enviadas ao Fórum de Taubaté (SP) e ao Tribunal de Justiça da Paraíba.

Desserviço à comunicação
Para o procurador regional dos Direitos do Cidadão, Jefferson Aparecido Dias, autor da ação, a Band prestou um desserviço à comunicação social ao veicular as declarações do apresentador contra pessoas que não possuem a mesma opinião que ele. Ele destacou, na ação, que a TV aberta é uma concessão pública e não pode ser usada para disseminar o preconceito. No entanto, as declarações de Datena contribuem para o aumento da intolerância.

Dias quer ainda que a União, por meio da Secretaria de Comunicação Eletrônica do Ministério das Comunicações, fiscalize o "Brasil Urgente", sobretudo a exibição do programa em que o apresentador vai se retratar. Isso porque, no entendimento do promotor, a Band corroborou as declarações de Datena, ao permitir que ele fizesse uma pesquisa interativa sobre a opinião de seus telespectadores a respeito do tema.

“Evidentemente, houve atitudes extremamente preconceituosas uma vez que as declarações do apresentador e do repórter ofenderam a honra e a imagem das pessoas ateias. O apresentador e o repórter ironizaram, inferiorizaram, imputaram crimes, 'responsabilizaram' os ateus por todas as 'desgraças do mundo'", afirma o procurador. A Ação Civil Pública foi distribuída à 5ª Vara Federal Cível de São Paulo. Com informações da Assessoria de Imprensa do Ministério Público Federal de São Paulo.
Consulltor Jurídico.

Kaká e mulher rompem com a Igreja Renascer




Kaká e mulher rompem com a Igreja Renascer
Publicidade
DE SÃO PAULO


Famoso pela devoção à Igreja Renascer em Cristo, do casal Sonia e Estevam Hernandes, o jogador Kaká e a sua mulher, Caroline Celico, romperam com a instituição. A história, que já havia sido antecipada no início de outubro pela coluna Zapping, do jornal Agora e publicada pela Folha.com, está na edição deste final de semana da revista "Veja" e foi confirmada neste sábado pela Folha.

Acompanhe a Folha no Twitter
Conheça a página da Folha no Facebook

De acordo com a "Veja", eles se afastaram no último mês de agosto. "O meu tempo na Igreja Renascer acabou. E o que posso afirmar é que hoje minha busca constante é somente por Deus", disse Carol à revista.

Robson Ventura-8.set.2009/Folha Imagem

Em 2009, Kaká participou da cerimônia de lançamento da reconstrução do templo da igreja, em São Paulo

Sobre os motivos, ela preferiu não se pronunciar: "Não vou fazer nenhum comentário. Cada um tem o seu ponto de vista sobre inúmeros assuntos".

A própria igreja confirmou que, na quinta-feira, o jogador telefonou para Hernandes e comunicou que saía "por motivos pessoais", acrescenta a "Veja".

POLÊMICA

No dia 2 de dezembro do ano passado, a Justiça Federal em São Paulo condenou os fundadores da Renascer, Estevam e Sonia Hernandes, a quatro anos de reclusão pelo crime de evasão de divisas. A decisão foi do juiz Fausto De Sanctis, na 6ª Vara Criminal de São Paulo, que acatou parcialmente a denúncia do Ministério Público Federal.

Porém, por serem réus primários no Brasil, o juiz substituiu a pena privativa de liberdade por prestação de serviços a entidades filantrópicas.

A condenação se referiu ao fato de o casal ter saído do Brasil com destino aos Estados Unidos, em janeiro de 2007, com US$ 56,4 mil escondidos em uma bolsa, na capa de uma Bíblia, em um porta-CDs e em uma mala. Ao desembarcarem no aeroporto de Miami, Sonia e Estevam foram detidos e posteriormente condenados pela Justiça americana pelos crimes de contrabando de dinheiro e conspiração para contrabando de dinheiro.

Antes, em 18 de janeiro, o teto da antiga sede da igreja desabou, deixando sete mortos e mais de 100 feridos.

O lançamento da pedra fundamental do novo templo ocorreu em setembro de 2009, orçado em R$ 10 milhões, em São Paulo, exatamente com a presença do jogador Kaká. Ele ficou o tempo todo ao lado dos líderes Estevam e Sônia, com quem orou de mãos dadas.

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

Mistério ainda ronda a Rádio Clube: "Homem" vira "Gato"



Durante toda essa semana nossa equipe do 'Voz da Bahia', foi procurada por moradores da Marieta Martins, conhecida por Rádio Clube, para falarem a respeito do "homem que vira gato". Fomos então até o Bairro da Rádio Clube para saber mais a respeito deste mistério. A moradora Maria Neuza Bispo dos Santos, 48 anos, residente na casa 212, do referido Bairro, afirmou que o homem estava em cima do seu telhado, quando ela havia se aproximado ele se transformava em gato, "Eu estou com quase 50 anos de idade e nunca vi um troço como este em minha vida", alegou Maria Neuza. Ela ainda complementou ao dizer que ficava com muito medo, "É absoluta verdade o que eu digo, estava muito assustada" garantiu Neuza. A outra moradora, Joana de Jesus, afirmou que quando as pessoas correm atrás do suposto "homem" para capturá-lo, ele corre como um bicho. "Parece até mentira, mas até as balas não atingem esse bicho, ele só ataca casas de mulheres", disse a senhora Joana de Jesus.

Confira em "ÁUDIOS", click logo abaixo, matérias gravadas de alguns moradores da Rádio Clube, que dizem conhecer a história do homem que se transforma em gato.
fonte: A Voz da Bahia

comentário

Isto não é nada. Lá no Norte Nordeste, principalmente no interior ainda resistem ao tempo as lendas ou estórias dos homens que em noites de lua cheia, viram "mula sem cabeça", "Chupa Cabra","Cupelobo" (que é uma espécie de Lobisomem local). "Cobra Norato",e etc. São tantas as lendas, que se torna muito díficil dizer onde começa a realidade de tais lendas, ou onde começa o imaginário popular, principalmente no Brasil, que as gerações passadas foram criadas sob o relato desses mistérios tão comuns no nosso país.
João Batista de Ayrá/advogado/jornalista/babalorixá

STF nega habeas corpus a pastores acusados de matar Lucas Terra


02/12/2010
STF nega habeas corpus a pastores acusados de matar Lucas Terra
Filipe Costa, da Agência A TARDE

Os ministros da Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) negaram, nesta quinta-feira (2), o pedido de habeas corpus dos advogados dos pastores da Igreja Universal do Reino de Deus, bispo Fernando Aparecido da Silva e pastor Joel Miranda, para suspender o processo a que respondem pelo assassinato do adolescente Lucas Terra em 2001, no bairro do Rio Vermelho. Os advogados alegavam que a investigação deveria ser considerada nula por ter sido conduzida pelo Ministério Público (MP) e não pela polícia.


A questão sobre o poder de investigação do MP está para ser analisada pelo plenário da Corte em uma ação movida pela defesa de Sérgio Gomes da Silva, conhecido como "Sombra", acusado de ser o mandante do assassinato do ex-prefeito de Santo André (SP), Celso Daniel. O entendimento vai orientar o julgamento de casos semelhantes. O STF informou em nota que decidiu analisar o pedido dos pastores da Bahia, no entanto, "devido à peculiaridade do caso".

O relator da ação, ministro Ricardo Lewandowski, lembrou que o MP, como titular da ação penal, não está impedido de proceder investigações, conforme previsto no artigo 129, incisos VI e VIII, da Constituição Federal. Ele destacou ainda que o inquérito policial, por ser peça informativa, não é pressuposto necessário para a elaboração da ação penal, que pode ser embasada em outros elementos.

Durante o julgamento, o ministro afirmou também que a investigação não teve início no Ministério Público, pois já havia um inquérito policial em curso.

Caso - Em março de 2001, Lucas Terra foi violentado sexualmente e, em seguida, assassinado. Seu corpo foi encontrado carbonizado em um terreno na Avenida Vasco da Gama, em Salvador. Lucas tinha 14 anos quando foi morto e, desde a época do crime, a família do garoto se dedica de modo árduo para que o caso não seja esquecido e os culpados sejam punidos. Um terceiro pastor envolvido no caso, Silvio Galiza, confessou o crime e está preso.

Ele teria matado o jovem após tentar manter um relacionamento amoroso com ele. Os outros dois acusados teriam participado do crime para tentar encobrir a situação.

Galiza já chegou a declarar à justiça que Lucas Terra foi morto por ter presenciado uma relação sexual entre o bispo Fernando Aparecido da Silva e o pastor Joel Miranda. Os dois respondem ao processo em liberdade.
fonte. A Tarde